Nova Iguaçu Online
Notícias de Nova Iguaçu todo dia

Casa de Cultura apresenta exposição ‘Africanidades na Baixada Fluminense’

Receba as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet. WhatsApp CLIQUE AQUI ou Telegram CLIQUE AQUI

Descendente de família angolana, a assistente social Mônica da Silva Santos, de 46 anos, se emocionou nesta quarta-feira (6) ao visitar as dependências da Casa de Cultura de Nova Iguaçu, que realiza até o dia 31 de janeiro, a exposição: ‘Africanidades na Baixada Fluminense – Contribuição do negro na formação da identidade brasileira’. Ao se deparar com um pelourinho, conhecido como lugar de castigo para criminosos e negros escravizados que eram punidos em locais públicos, além de um açoite, tronco, palmatórias e peias (algemas para os pés), ela chorou.
“Meus bisavôs foram escravos e essa é a primeira vez que senti de forma tão intensa como eles sofreram na época. Nunca tive esse choque de realidade. O negro está bem representado nesta casa. Esta exposição é um resgate ao passado da minha família”, lembrou Mônica, que ainda ficou impressionada com as cerca de 150 peças de utensílios para culinária da época, como o tonel de aguardente e a moenda portátil de cana de açúcar.
A exposição, que desperta o interesse popular sobre a herança africana, está sendo realizada pela Prefeitura de Nova Iguaçu, por meio da Secretaria de Cultura e Fundação Educacional e Cultural de Nova Iguaçu (Fenig), de terça a sexta-feira, das 10h às 20h e aos sábados, de 10h às 18h.
“Essa é a maior exposição sobre africanidades no estado do Rio. Temos peças mostradas pela primeira vez todas juntas, como o machado de decapitação e esquartejamento usado para assassinar Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes. Essa peça só foi mostrada em novembro do ano passado na Casa França-Brasil e agora aqui. A maioria das peças foram usadas no dia a dia de africanos e escravizados na Baixada. É um momento mágico e importante a realização desta exposição que retrata a grande contribuição da raça negra para nossa história”, afirmou o secretário municipal de Cultura, Marcus Monteiro.
Entre outras peças expostas na Casa de Cultura estão: bronzes do Benin, máscaras africanas raras, mapas raros do século XVI, pistolas de percussão, esculturas, braceletes, bustos do Oba (Rei) e da Rainha do Benin, tacho de ferro e cobre, carro de boi, raspador de mandioca, balança, livro de registro de escravos da Vila São Francisco Xavier de Itaguaí no período de 1861 a 1876, entre outros.
Ainda de acordo com Marcus Monteiro, a ideia é aumentar o número de exposições na Casa de Cultura, que têm atraído a visita de alunos de escolas municipais de toda a Baixada Fluminense.
“Este ano já fizemos outras duas grandes exposições, como a do artista plástico Raimundo Rodrigues e Olhares Sob Lares, que contou a vida doméstica na Velha Iguassú. Mas a ideia no próximo ano é aumentar o número de exposições e trazer até eventos de nível internacional, mas nosso foco é o patrimônio da Baixada Fluminense. Já temos 18 escolas municipais de várias cidades agendadas esta semana para visitar a exposição, que é gratuita”, lembrou.
Entre as muitas influências africanas na Baixada Fluminense, as marcas do povo africano no território são visíveis até os tempos modernos. Desde a capoeira e as escolas de samba até a herança religiosa, a africanidade constitui elemento fundamental na formação da identidade brasileira.
A exposição relembra fatos históricos importantes e até curiosos, como o nome do bairro vizinho ao Complexo Cultural Nova Iguaçu, o K11: nome derivado do “Kwanza”, como havia sido batizado um quilombo existente no local entre os séculos XVII e XVIII.
Entre esculturas oriundas da Costa do Marfim, Gabão, Nigéria, Benim e outros países africanos, a exposição retrata o negro como criador desde sempre, não somente como um corpo cuja utilidade seria apenas o de servir.
“Minha avó, Maria Madalena, morta há 10 anos, foi escrava em Barra Mansa e essa exposição me fez lembrar tempos difíceis, tristes, mas temos que resgatar essa história. Fui criada na roça e andava no carro de boi, o mesmo exposto aqui. Estou surpreendida”, contou a dona de casa Geni dos Santos, de 67 anos.
O Complexo Cultural Nova Iguaçu, Casa de Cultura Ney Alberto, fica na Getúlio Vargas, 51, Centro de Nova Iguaçu.

 

SERVIÇO: Exposição Africanidades na Baixada Fluminense- Contribuição do Negro na Formação da Identidade Brasileira

Local: Complexo Cultural de Nova Iguaçu / Rua Getúlio Vargas 51, Centro de Nova Iguaçu

Terça à sexta-feira : 10h às 20h
Sábados: 10h às 18h

Inscreva-se em nossa Newsletter
Cadastre e receba notícias direto para seu email
Você pode se desinscrever a qualquer momento
você pode gostar também
Comentários
Loading...
WhatsApp chat