Nova Iguaçu Online
Notícias de Nova Iguaçu todo dia

Roubos de carga e acidentes em rodovias caem no Brasil

Receba as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet. WhatsApp CLIQUE AQUI ou Telegram CLIQUE AQUI

O isolamento social em vigor no Brasil diminuiu o tráfego de veículos nas estradas e, com isso, caíram também os números relacionados a roubo de carga e acidentes nas rodoviais federais. Os dados foram informados pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, em coletiva de imprensa nesta segunda-feira (13), no Palácio do Planalto, para atualizar as ações do governo federal relacionadas à pandemia do novo coronavírus. 

Segundo Moro, citando dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF), os roubos de carga caíram 19%, entre os dias 11 de março e 12 de abril deste ano, na comparação com o mesmo período do ano passado. A queda no roubo a ônibus foi ainda maior: 49%, segundo a mesma comparação. O número de acidentes nas rodoviais federais caiu 28%. No caso dos acidentes graves, a redução foi de 23%. O número de óbitos no último mês caiu 7% em relação a 2019 e o de pessoas feridas nos acidentes registrou queda de 30%.  

“Isso pode ser atribuído à diminuição do tráfego nas rodovias federais, que gera dificuldades logísticas e de planejamento a esses criminosos”, disse o ministro. Moro destacou que a redução do número de mortes e pessoas feridas também diminuiu a pressão sobre o sistema de saúde, já que reduz a demanda, por exemplo, por leitos de unidades de terapia intensiva (UTIs), essenciais na hospitalização de pessoas infectadas por covid-19. 

Criminalidade

Sobre os índices de criminalidade, em geral, o ministro Sergio Moro disse que tem recebido informes diferentes dos estados, alguns com aumento da criminalidade e outros com registro de queda, e que ainda não é possível concluir se, durante a pandemia, as estatísticas de violência serão, de fato, reduzidas no país. A preocupação, segundo ele, é com a prática de outros tipos de crime, principalmente pela internet, os chamados crimes cibernéticos. Sobre isso, Moro disse que a atuação da pasta é prestar apoio, via Polícia Federal, para prevenir fraudes, por exemplo, no programa de auxílio emergencial a trabalhadores informais.  

“Estamos direcionando a ação da Polícia Federal para uma atuação proativa juntamente com a Caixa Econômica Federal e o Ministério da Cidadania para prevenir que este importante instrumento de transferência de renda seja submetido a fraude por pessoas inescrupulosas nesse momento”, afirmou.

Sistema penitenciário

Sergio Moro também comentou sobre a infecção de detentos pelo novo coronavírus. Nos últimos dias, foram registrados casos no Distrito Federal (DF), no Pará e no Ceará. No caso do DF, já subiu para 23 o número de presos infectados e para 20 o de agentes penitenciários diagnosticados com a covid-19, segundo a última atualização da Subsecretaria do Sistema Penitenciário (Sesipe). 

“A situação se encontra ainda absolutamente sob controle, tomando cuidados necessários para que, se forem encontrados presos com sintomas ou positivados com a infecção, eles sejam isolados”, afirmou o ministro.

Segundo o Ministério da Justiça, a população carcerária do Brasil é de 752 mil detentos em 1.412 unidades prisionais. Quinze mil estão presos em delegacias. O sistema também conta com 7.344 profissionais de saúde e 83 mil servidores prisionais.   

No caso de novas pessoas presas pela polícia em meio à pandemia, o ministro explicou que o protocolo que tem sido adotado pelas forças de segurança estaduais e federais é a separação desses detentos para um período de quarentena em espaços carcerários específicos, antes que eles possam conviver com os demais detentos que estão encarcerados há mais tempo. 

Inscreva-se em nossa Newsletter
Cadastre e receba notícias direto para seu email
Você pode se desinscrever a qualquer momento
você pode gostar também
Comentários
Loading...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Nós garantimos que está tudo certo com isso, mas você pode não desejar isso. Aceitar Saiba Mais