Nova Iguaçu Online
Notícias de Nova Iguaçu todo dia

Pesquisadores criam válvula para compartilhamento de respiradores

Receba as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet. WhatsApp CLIQUE AQUI ou Telegram CLIQUE AQUI

Um grupo de pesquisadores desenvolveu um mecanismo que pode permitir o compartilhamento de ventiladores respiratórios. São quatro brasileiros e dois holandeses que apresentaram o projeto em resposta a um desafio proposto pela escola de medicina norte-americana Johns Hopkins University.

O mecanismo começa com um aplicativo que monitora os pacientes internados com coronavírus. O programa busca identificar pacientes que possam, em caso de necessidade, dividir um mesmo aparelho respiratório.

O bioengenheiro Alessandro M. Hakme da Silva, um dos idealizadores do projeto, disse que é importante que as pessoas tenham semelhanças de peso, altura e capacidade pulmonar.

A ideia parte de experimentos que já foram feitos para compartilhamento de equipamentos de respiração artificial em situações críticas. “Eles pegaram pacientes que tinham mais ou menos o mesmo peso, a mesma altura, a mesma capacidade pulmonar, a mesma frequência respiratória, e colocaram esses pacientes para compartilhar o mesmo ventilador. E eles foram mantidos vivos por até 3 horas”, explicou Silva.

O trabalho busca melhorar a eficiência dessa possibilidade ao adicionar uma válvula que controla o fluxo de ar para os pacientes. “Para fazer a combinação correta de fluxo de ar para que ambos pacientes pudessem ser tratados no ventilador”, enfatiza o bioengenheiro.

O projeto foi desenvolvido justamente a partir dos problemas apontados nas pequisas que analisaram o uso dos respiradores por mais de uma pessoa. “Pegamos todas as recomendações e incorporamos isso”, acrescentou Silva.

Busca por recursos

Os pesquisadores buscam, agora, recursos para fazer todos os testes necessários para que o protótipo possa ser aprovado para uso clínico. “Algumas empresas já entraram em contato conosco”, disse o pesquisador, que pretende buscar também financiamento de instituições públicas. A estimativa é que cada válvula custe cerca de US$ 150.

Além de Silva, fazem parte do grupo os pesquisadores Beatriz Gandolfi, Emílio Belmonte, Gian Caselato, Marjn Hiep e Friso Schoffelen. O grupo teve mentoria de Dennis McWilliams, Namratha Potharaj e Matthew Petney dentro do programa de inovação médica B.E.S.T Innovation Course promovido pelo do IRCAD América Latina, com sede em Barretos, no interior paulista.

Inscreva-se em nossa Newsletter
Cadastre e receba notícias direto para seu email
Você pode se desinscrever a qualquer momento
você pode gostar também
Comentários
Loading...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Nós garantimos que está tudo certo com isso, mas você pode não desejar isso. Aceitar Saiba Mais