Nova Iguaçu Online
Notícias de Nova Iguaçu todo dia

Terreiro de umbanda é incendiado em Nova Iguaçu

Um terreiro de umbanda foi incendiado em plena luz do dia no bairro Carlos Sampaio, Nova Iguaçu. O caso ocorreu na manhã do último domingo. O cozinheiro Emilson de Souza Furtado, de 50 anos, é o pai de santo da Tenda Espírita Pai Joaquim da Angola. Ele estava no trabalho, quando uma filha de santo ligou contando sobre o fogo:

— Ela mora em frente ao terreiro e viu quando começou a aparecer a fumaça. Correu para ver e o fogo já estava lambendo tudo. Ela disse que viu um buraco e vestígios de pano queimado. Imagino que alguém fez buraco e colocou pano para incendiar. Eu apago as luzes e nem deixo vela acesa.

Segundo o Corpo de Bombeiros, o fogo durou quase duas horas até ser combatido. Pai Emilson de Iemanjá, como é conhecido dentro da religião, tem o terreiro no bairro há 18 anos, mas é umbandista há 30. Ele vai registrar ocorrência na Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi) nesta quarta-feira. O religioso disse que o fogo destruiu quase tudo:

— Só sobraram dois atabaques, duas cadeiras, o quarto de Exu e do orixá. Queimou todo o resto, até o telhado e as roupas. Quando cheguei lá, fiquei em desespero. Não estava acreditando no que estava vendo. Tanto sacrifício, luta, anos para conquistar o que a gente tem e vem uma pessoa e faz isso.

Emilson contou que já tentaram invadir o terreiro há quatro anos, mas é a primeira vez que o imóvel foi incendiado. Ele disse que foi um dos primeiros moradores do local e não entende o motivo do crime.

— Já tentaram invadir no passado. Era uma pessoa bêbada, drogada. Eu tenho mais de 18 anos lá. Quando cheguei, não tinha nem cara. Era só morro e matagal. Depois, vieram mais pessoas para morar. Pode ser que o terreiro esteja incomodando alguém, tem gente que não gosta — opinou o pai de santo, que quer saber a autoria do incêndio:

— Quero que a polícia descubra. Nos fundos do terreiro, tem um descampado abandonado. Fica cheio de mato lá para trás. Ninguém vê. Foi no buraco da parede dos fundos que começou o fogo.

O caso chegou à Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR) através da Agen Afro, mídia militante que sempre traz à tona casos de intolerância religiosa.

O babalawô, doutor em História Comparada e interlocutor da CCIR, Ivanir dos Santos, ressaltou a importância de denunciar os casos de intolerância religiosa:

— Em momentos de extremas angústias e incertezas, tal como estamos vivendo e passando diante da pandemia da Covid-19, a fé e a espiritualidade são, mais vez, ultrajadas. Não podemos nos calar. É muita falta de respeito. As autoridades competentes precisam agir, combater e dar respostas rápidas. Até quando isso.

A CCIR está realizando lives, como parte das atividades da 13ª Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa, até 27 de setembro, no https://www.facebook.com/CaminhadaemDefesadaLiberdadeReligiosa.

Fonte:Extra
você pode gostar também
Comentários
Loading...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Nós garantimos que está tudo certo com isso, mas você pode não desejar isso. Aceitar Saiba Mais