Nova Iguaçu Online
Notícias de Nova Iguaçu todo dia

Aumento no número de casos de sífilis preocupa em Nova Iguaçu

Receba as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet. WhatsApp CLIQUE AQUI ou Telegram CLIQUE AQUI

O Brasil tem visto um avanço desenfreado da sífilis nos últimos anos. Em Nova Iguaçu, não tem sido diferente. Este ano, a Secretaria Municipal de Saúde (SEMUS) registrou 2.530 casos da doença, principalmente em homens. A sífilis adquirida sexualmente tem sido diagnosticada frequentemente na população jovem, sobretudo em rapazes.

Por ser uma doença infectocontagiosa, causada por uma bactéria, é importante que os homens tomem os devidos cuidados, pois são fonte de transmissão. Por isso, é importante entender a importância da prevenção, da testagem e do tratamento apropriado.

Todas as 69 unidades básicas de saúde do município de Nova Iguaçu têm testagem rápida para sífilis e outras Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs). Em poucos minutos, é possível saber o diagnóstico e receber as orientações necessárias.

A sífilis é uma doença de evolução crônica. O primeiro sinal da sífilis pode ser uma lesão indolor, geralmente localizada nos órgãos genitais e sem prurido. Por desaparecer logo e sem deixar cicatriz, ela pode passar despercebida, evoluindo para erupções na pele e comprometimento neurológico e cardiológico.

Ao ter a doença detectada, o tratamento deve ser indicado por um profissional da saúde e iniciado o quanto antes. Na própria unidade de saúde em que se realiza o teste, há possibilidade de receber gratuitamente todos os cuidados, com medicação fornecida pelo Ministério da Saúde e distribuída através da coordenação do programa voltado para ISTs, mediante a informação de casos existentes no território e notificação compulsória. Os parceiros também precisam fazer a testagem e ser tratados, para evitar uma nova infecção.

Quando ocorre na gravidez, a sífilis é extremamente ameaçadora. É imprescindível que a gestante receba medicação e que seu companheiro tenha, ao mesmo tempo, os cuidados adequados. O parceiro, se não fizer tudo corretamente, pode reinfectar a grávida que iniciou o tratamento. O mais importante, no caso das gestantes, é não passar a doença para o bebê. A ausência de cuidados ou o tratamento inadequado pode causar morte fetal e várias complicações para a criança.

Inscreva-se em nossa Newsletter
Cadastre e receba notícias direto para seu email
Você pode se desinscrever a qualquer momento
você pode gostar também
Comentários
Loading...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Nós garantimos que está tudo certo com isso, mas você pode não desejar isso. Aceitar Saiba Mais