Nova Iguaçu Online
Notícias de Nova Iguaçu todo dia

Standard & Poor’s mantém nota da dívida do governo brasileiro

Receba as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet. WhatsApp CLIQUE AQUI ou Telegram CLIQUE AQUI

A agência de classificação de risco Standard & Poor’s (S&P) manteve a nota da dívida pública brasileira. A decisão foi divulgada na noite desta quinta-feira (10) e ocorre oito meses depois de a agência ter reduzido de positiva para estável a perspectiva de nota do país.

A perspectiva estável significa que a agência não pretende mudar a nota do país nos próximos anos. Atualmente, a S&P concede nota BB- para o Brasil, três níveis abaixo do grau de investimento, garantia de que o país não corre risco de dar calote na dívida pública. A perspectiva positiva indicava que a nota poderia ser elevada.

A agência estima que o Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas no país) encolherá 4,7% em 2020 e crescerá 3,2% em 2021. A S&P, no entanto, ressaltou que o fim de estímulos como o auxílio emergencial criará incertezas para o próximo ano.

Em comunicado, a S&P informou que condicionou a manutenção da nota à implementação do programa de ajuste fiscal e a uma recuperação econômica “modesta”, que permita ao país conseguir financiar a dívida pública bruta, que saiu de 75,8% do PIB em 2019 e chegou a 90,7% do PIB em outubro.

Embora tenha mantido a nota da dívida brasileira, a agência de classificação de risco informou que pode elevar a classificação do país caso reformas atualmente paralisadas sejam aprovadas e a economia cresça mais que o esperado. Por outro lado, se a pressão por gastos adicionais reduzir o compromisso da classe política com o ajuste fiscal, a S&P informou que poderá piorar a avaliação do Brasil.

Congresso

Para a S&P, o governo tem mostrado compromisso com políticas que reduzem os gastos obrigatórios e incentiva os investimentos privados na economia. O comunicado, no entanto, adverte que a falta de uma coalizão sólida no Congresso e o prolongamento da pandemia de covid-19 representaram um desafio para destravar essa agenda.

Desde janeiro de 2018, a S&P enquadra o Brasil três níveis abaixo do grau de investimento, mesma nota concedida pela Fitch, outra das principais agências de classificação de risco. A Moody’s classifica o país dois níveis abaixo do grau de investimento.

Procurado pela Agência Brasil, o Ministério da Economia informou que não comentará o comunicado da S&P.

você pode gostar também
Comentários
Loading...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Nós garantimos que está tudo certo com isso, mas você pode não desejar isso. Aceitar Saiba Mais