Nova Iguaçu Online
Notícias de Nova Iguaçu todo dia

Monitor do PIB-FGV de outubro apresenta alta de 0,6%

Receba as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet. WhatsApp CLIQUE AQUI ou Telegram CLIQUE AQUI

O Monitor do PIB-FGV de outubro registrou alta de 0,6%, na atividade econômica, se comparado ao mês anterior. Já no trimestre móvel, encerrado em outubro, a variação ficou em 6,4%, em relação ao período entre maio e julho.

De acordo com o indicador, calculado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV/Ibre), na comparação interanual, a economia teve queda de 2,7% em outubro e de 3,1% no trimestre entre agosto e outubro. Em valores correntes, no acumulado do ano até outubro, o PIB alcançou aproximadamente R$ 6,111 trilhões.

O coordenador do Monitor do PIB-FGV, Cláudio Considera, disse que o forte crescimento de 7,7% da economia brasileira no 3º trimestre, reverteu, em parte, a forte retração de 9,7% registrada no período anterior. Apesar disso, segundo o economista, essa evolução não teve continuidade em outubro, mês que apresentou a menor taxa mensal desde a forte retração de abril. “A tendência da economia, parece ser, retomar às incipientes taxas mensais do início do ano, pré pandemia. Das doze atividades desagregadas que compõem o PIB apenas 6 apresentam-se no plano positivo tanto contra mês anterior, como na comparação interanual”, comentou.

Cláudio Considera acrescentou que o setor de serviços ainda apresenta grande resistência à recuperação, com influência das atividades de Transportes, de Administração pública, e, especialmente, de Outros serviços que pesam quase 15% do PIB. “Estes resultados são reflexo do fraco desempenho dos dois principais componentes da demanda: o consumo das famílias e a formação bruta de capital fixo. Mesmo com a flexibilização das medidas de isolamento e pequena melhora dos setores de alojamento, alimentação, serviços prestados às famílias, educação e saúde, o crescimento observado ainda é insuficiente para trazer o consumo para o plano positivo”, contou.

O economista observou ainda que embora os produtos não duráveis e duráveis consumidos pelas famílias tenham sido favorecidos pelo auxílio emergencial e pelo comércio virtual, os serviços continuam travando a economia. Ele destacou também que os desempenhos dos componentes da formação bruta de capital fixo, especialmente, da construção que se compõe principalmente de moradias e obras públicas, são todos negativos. “Com o recrudescimento da pandemia fica dificultada uma recuperação mais robusta do setor de serviços, que é a atividade mais relevante da economia brasileira”, apontou.

Famílias

O consumo das famílias recuou 4,4% entre agosto e outubro, em relação ao mesmo período de 2019. De acordo com o indicador, desde a histórica queda de 12,2%, no segundo trimestre, o consumo segue com tendência ascendente, apesar de ainda registrar variações negativas. Esse comportamento se deve principalmente ao desempenho do consumo de bens, uma vez que o consumo de serviços, tem recuperação mais lenta com taxas menos negativas desde o resultado do segundo trimestre.

Exportação

O Monitor apontou também que a exportação de bens e serviços caiu 6,5% de agosto a outubro, se comparado ao mesmo trimestre de 2019. “Praticamente todos os componentes retraíram nesta comparação. A única exceção foi a exportação de bens de consumo que cresceu 21,1%, impulsionada pela exportação de bens de consumo não duráveis que cresceram 26%, neste trimestre”, informou a análise.

O volume total exportado de bens e serviços teve queda de 9,5%, mas dois segmentos apresentaram crescimento: bens de consumo (21,1%) e bens de capital (5,1%). A maior queda foi na exportação de produtos agropecuários (-27,4%), seguida da exportação de serviços (-22,9%).

Importação

A importação recuou 23% no trimestre móvel terminado em outubro, em comparação ao mesmo período de 2019. Conforme a análise, apesar de muito negativa, “houve uma suave melhora desta taxa, em comparação ao desempenho anterior”.

Na importação, o único componente a crescer foi o de produtos agropecuários (1,2%). De acordo com o Ibre, as fortes quedas de bens intermediários (-15,6%) e dos serviços (-34,9%) explicam a maior parte dessa retração, mesmo que os bens intermediários estejam apresentando trajetória ascendente enquanto a importação de serviços continua em desaceleração. Na comparação interanual, todos os segmentos da importação apresentaram retração em outubro. Os mais expressivos foram o da importação de bens de capital e o de serviços.

Monitor

O Monitor do PIB/FGV, calculado pelo Ibre, estima mensalmente o PIB brasileiro em volume, em valor corrente e em valor constante a preços de 1995. Ele foi criado para dar à sociedade um indicador mensal da soma dos bens e serviços produzidos no país, usando a mesma metodologia das Contas Nacionais apuradas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A série começou em 2000 e incorpora todas as informações disponíveis das Contas Nacionais.

Inscreva-se em nossa Newsletter
Cadastre e receba notícias direto para seu email
Você pode se desinscrever a qualquer momento
você pode gostar também
Comentários
Loading...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Nós garantimos que está tudo certo com isso, mas você pode não desejar isso. Aceitar Saiba Mais