Nova Iguaçu Online
Notícias de Nova Iguaçu todo dia

Faperj investe em pesquisa de covid-19 e danos neurológicos tardios

Receba as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet. WhatsApp CLIQUE AQUI ou Telegram CLIQUE AQUI
PÁGINA INICIAL > IMPRENSA > NOTÍCIAS

Arquivo Pessoal 

Faperj investe em pesquisa de covid-19 e danos neurológicos tardios

20 de dezembro de 2020

 

O desenvolvimento de biomarcadores moleculares minimamente invasivos para identificação de acometimento neurológico tardios pela covid-19 é um dos projetos aprovados pela Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa no Rio de Janeiro (Faperj) com bolsa de Pós-Doutorado Nota 10.

 

Em uma parceria entre a Universidade Federal do Rio de Janeiro e o Instituto D’Or de Ensino e Pesquisa, o projeto de Fernanda Barros Aragão prevê suplantar uma dificuldade dos exames clínicos e de neuroimagem que não conseguem detectar, de forma precoce, problemas neurológicos tardios de pacientes acometidos pela covid.

 

Fernanda explica que alterações neurológicas são comuns em pacientes com covid-19 e material do SARS-CoV-2 foi isolado tanto no cérebro como no líquido cefalorraquidiano (líquido que banha o sistema nervoso central) de pacientes infectados, o que sugere que o vírus também ataca o sistema nervoso central de forma direta, pela infecção viral, e indireta, por disfunção da barreira hematoencefálica e neuroinflamação.

 

Segundo Fernanda, esses eventos podem agravar condições pré-existentes e contribuir para o desenvolvimento, mais tarde, de doenças neurodegenerativas. Com esta bolsa Faperj, recém aprovada, ela pretende desenvolver novas tecnologias para o reconhecimento precoce dos pacientes com covid-19 sob risco de acometimento neurológico agudo e tardio.

 

O projeto da Fernanda visa procurar estabelecer biomarcadores moleculares inovadores e um fator de risco genético, a partir da análise de sangue, e que possam apontar para um desfecho neurológico provocado pela covid. As pesquisadoras estão analisando o liquor cefalorraquidiano de pacientes e encontraram marcadores de inflamação aumentados.

 

Fernanda Aragão explica que os marcadores de inflamação são moléculas que o nosso próprio corpo produz em resposta à infecção e, que ao medirmos, podem dar uma ideia do quanto aquele órgão está inflamado, estabelecendo associações aos sintomas observados. No caso, o grupo já mediu essas moléculas que marcam a inflamação no líquor de pacientes com covid-19 e que desenvolveram problemas neurológicos. Dessa forma, o aumento dessas moléculas, está mostrando que o cérebro pode estar inflamado e, que isso, pode estar por trás dessas manifestações neurológicas.

 

Segundo Fernanda e suas orientadoras Fernanda de Felice, da UFRJ, e Fernanda Tovar Moll, do I D’Or, esse conhecimento poderá auxiliar na prevenção de doenças neurológicas severas associadas à covid-19 e na fundamentação de acompanhamento pós-pandemia de pacientes infectados.

 

As bolsas Nota 10 da Faperj nas modalidades de mestrado, doutorado e pós-doutorado são concorridíssimas e disputadas entre os alunos de programas de pós-graduação de instituições fluminenses. Neste segundo semestre de 2020, foram anunciados 123 projetos de Pós-Doutorado, cujos alunos recebem mensalmente uma bolsa no valor de R$ 5.200,00 mais uma taxa para investimento na pesquisa no valor mensal de R$ 1.000,00.

 

Entre os projetos contemplados, nove são sobre o novo coronavírus. Entre as temáticas, a avaliação da toxicidade da poluição atmosférica e relação da infecção do covid-19; covid e as formas de resistência social nas favelas cariocas, entre outros.

Inscreva-se em nossa Newsletter
Cadastre e receba notícias direto para seu email
Você pode se desinscrever a qualquer momento
você pode gostar também
Comentários
Loading...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Nós garantimos que está tudo certo com isso, mas você pode não desejar isso. Aceitar Saiba Mais