Nova Iguaçu Online
Notícias de Nova Iguaçu todo dia

Mapa de Risco: regiões Metropolitana II e Serrana melhoram e voltam a apresentar baixo risco

Receba as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet. WhatsApp CLIQUE AQUI ou Telegram CLIQUE AQUI
PÁGINA INICIAL > IMPRENSA > NOTÍCIAS

Mapa de Risco: regiões Metropolitana II e Serrana melhoram e voltam a apresentar baixo risco

9 de janeiro de 2021

 

A 13ª edição do Mapa de Risco da Covid-19 mostra uma melhora na situação da pandemia no Estado do Rio. A Região Serrana, que estava na bandeira vermelha (alto risco para a doença) na edição anterior do mapa, foi a que registrou a melhor evolução, passando direto para a bandeira amarela (baixo risco). A Região Norte Fluminense evoluiu da bandeira vermelha para a laranja (risco moderado), e a Região Metropolitana II (de Niterói, São Gonçalo e municípios vizinhos) melhorou da laranja para a amarela. 
 
As regiões Metropolitana I, Noroeste e Baía de Ilha Grande ficaram na bandeira vermelha, e as regiões Médio Paraíba e Baixada Litorânea permaneceram na bandeira laranja. A única piora ocorreu na Região Centro-Sul, da laranja para a vermelha. No geral, o Estado do Rio manteve a bandeira vermelha, embora menos regiões do estado (e um percentual menor da população fluminense) estejam nesta condição. A análise compara a semana epidemiológica 50 (de 06 de dezembro a 12 de dezembro) com a 48 (de 22 a 28 de novembro).
 
A Secretaria de Estado de Saúde (SES) executa um pacote de medidas para enfrentamento à pandemia. Entre os meses de novembro e dezembro, a SES ampliou a rede dedicada ao tratamento da Covid-19 em 989 leitos, sendo 390 de UTI adulto e 599 de enfermaria nas unidades estaduais e a partir de incentivos do estado. A SES deu início em 4 de dezembro ao programa de ampliação de testagem por RT-PCR, com abertura de quatro centros para diagnóstico precoce, onde estão sendo oferecidos 1.500 testes por dia. Até esta sexta-feira (08/01), já haviam sido realizados 23.131 testes de RT-PCR nas unidades. 
 
O programa é complementar à testagem de RT-PCR que já vem sendo realizada em unidades municipais de saúde e coordenada pela Secretaria. Desde o início da pandemia, já foram realizados mais de 406 mil testes. Só em novembro, foram mais de 98 mil exames, caracterizando um aumento de 74% em relação a outubro, numa parceria entre SES, COSEMS e Fiocruz. A Secretaria também repassou verbas de cofinanciamento aos municípios fluminenses para ações de combate à Covid-19, inclusive contemplando as parcelas em atraso.
 
Cada bandeira representa um nível de risco e um conjunto de recomendações de isolamento social, que variam entre as cores roxa (risco muito alto), vermelha (risco alto), laranja (risco moderado), amarela (risco baixo) e verde (risco muito baixo).
 
É importante ressaltar que as últimas semanas epidemiológicas do ano são impactadas pelos feriados nacionais e mudanças de gestão no âmbito municipal, refletindo em um menor registro das notificações. Assim, algumas regiões podem ter apresentado uma baixa notificação que ocasionou uma redução que não representa a realidade.
 
A seguir, o painel de indicadores da Covid-19 e a nota técnica 01/2021 elaborada pela Subsecretaria de Vigilância em Saúde:
você pode gostar também
Comentários
Loading...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Nós garantimos que está tudo certo com isso, mas você pode não desejar isso. Aceitar Saiba Mais