Nova Iguaçu Online
Notícias de Nova Iguaçu todo dia

Governo do Rio e especialistas discutem potencial para produção de hidrogênio

Receba as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet. WhatsApp CLIQUE AQUI ou Telegram CLIQUE AQUI
PÁGINA INICIAL > IMPRENSA > NOTÍCIAS

Divulgação

Governo do Rio e especialistas discutem potencial para produção de hidrogênio

25 de fevereiro de 2021

 

Representantes do Governo do Rio, da Prefeitura de Maricá, do Porto do Açu e da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha (AHK) debateram nesta semana o potencial do estado para a produção de hidrogênio. 

 

– O hidrogênio entrou na pauta das principais empresas e investimentos globais. Queremos atrair esses investimentos para o estado – afirmou o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Energia e Relações Internacionais, Leonardo Soares.

 

Para o secretário, é fundamental inserir outras fontes de energia, tal qual o hidrogênio, como componente estratégico da matriz de energia fluminense, alinhando o estado com as premissas mundiais de transição energética e sustentabilidade.

 

– O governo do Rio quer criar, com o apoio dos especialistas do setor, mecanismos de apoio e incentivo para viabilizar essa tecnologia no estado – explicou Soares – Atualmente, um dos insumos para a produção do hidrogênio é o gás natural. Somos os principais produtores nacionais, logo, faz todo sentido que os investimentos venham para o estado. Isso reforça o gás natural como vetor de desenvolvimento do estado nos próximos anos e vetor para a reindustrialização do estado a partir do insumo. Uma oportunidade fundamental que temos nos próximos anos – complementou. 

 

O Porto do Açu vem desenvolvendo estudos sobre como pode se posicionar nesse mercado. 

 

– Temos fatores extremamente competitivos. Recentemente, assinamos um Memorando de Entendimentos (MoU) com o objetivo de avaliar em conjunto o desenvolvimento de uma planta de geração solar fotovoltaica. E, no nosso plano diretor, existe a previsão de uma planta eólica. Além disso, vemos grande sinergia para o desenvolvimento industrial – afirmou o gerente de Novos Negócios do Porto do Açu, Filipe Segantine, acrescentando que a abundância de gás no estado, associado a uma captura de carbono, pode acelerar a produção de hidrogênio azul.

 

Na reunião, o secretário de Desenvolvimento Econômico de Maricá, Igor Sardinha, informou que a prefeitura local vem trabalhando para estabelecer uma linha de montagem de ônibus movidos a combustível limpo e híbridos (eletricidade e hidrogênio).

 

– Já estamos estabelecendo metas de crescimento da frota de ônibus que serão produzidos no município – afirmou. 

 

O secretário lembrou que a parte terrestre do gasoduto Rota 3 passa por Maricá. 

 

– Outras facilidades do município são o projeto do Terminal Portuário de Ponta Negra (TPN) e o Parque Industrial que será instalado na região – acrescentou.

 

Ansgar Pinkowski, gerente de inovação e sustentabilidade da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha, disse que sonha com uma barca movida a hidrogênio na Baía de Guanabara:

 

– Vemos um cenário favorável para a produção de hidrogênio no Rio de Janeiro. Essa é uma mudança importante para o estado, uma preparação para o futuro – concluiu.

Peça importante

 

O hidrogênio como combustível é visto como peça importante para o futuro neutro em carbono. Embora o uso mais conhecido do hidrogênio provavelmente seja nos carros, há muitos outros possíveis. Células de combustível podem servir de unidades fixas de geração de energia para prédios e são vistas como potenciais fontes de energia para aeronaves. Também é possível que o hidrogênio alimente veículos de serviço como empilhadeiras e caminhões, além de ônibus e trens.

Inscreva-se em nossa Newsletter
Cadastre e receba notícias direto para seu email
Você pode se desinscrever a qualquer momento
você pode gostar também
Comentários
Loading...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Nós garantimos que está tudo certo com isso, mas você pode não desejar isso. Aceitar Saiba Mais