Nova Iguaçu Online
Notícias de Nova Iguaçu todo dia

Estudo da Faperj analisa dramas e rumos de empregadas domésticas diante da pandemia

Receba as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet. WhatsApp CLIQUE AQUI ou Telegram CLIQUE AQUI
PÁGINA INICIAL > IMPRENSA > NOTÍCIAS

Divulgação

Estudo da Faperj analisa dramas e rumos de empregadas domésticas diante da pandemia

22 de fevereiro de 2021

 
Durante a pandemia, 1 milhão e 200 mil empregadas domésticas foram demitidas no país, de acordo com dados de Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios do IBGE de 2020. Mais de 20%, entre aquelas que não foram demitidas, tiveram redução em suas rendas. Diante deste cenário, surge a pergunta: qual o papel das ONGs feministas na efetivação de ações estratégicas de apoio a essas trabalhadoras no contexto da pandemia? A pesquisadora Thays Monticelli, do Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da UFRJ, ganhou uma bolsa de Pós-Doutorado Nota 10 da Faperj para investigar o assunto.

 

A Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj) é vinculada à Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, e as bolsas Nota 10 são concorridíssimas em virtude do valor de R$ 5,2 mil. São apenas 75 bolsas a cada edição disputadas em todo o Estado do Rio de Janeiro.

 
O projeto tem duração de três anos, e Thays Monticelli acompanhará cinco ONGs feministas. Duas delas, que atendem mais de seis mil trabalhadoras domésticas, já foram avaliadas. O estudo contempla, entre outros, atores que financiam as ações, como a sociedade civil, governos e instituições nacionais e internacionais; e os articuladores e as ações junto às trabalhadoras domésticas, incluindo redes de ativistas e lideranças. Segundo dados do Ipea, existem no Brasil mais de 780 mil Organizações Não-Governamentais. 

 

Até agora, Monticelli identificou, nesta pandemia, novas maneiras de ativismo feminista no Brasil, apontando para ações emergenciais como a distribuição de mais de 12 mil cestas básicas, kits de higiene, recargas de celulares e um amplo e democrático debate em lives e podcasts sobre as condições do trabalho doméstico remunerado na pandemia. 

 

Nesse contexto, Monticelli identificou também o surgimento de alianças mais estreitas entre as feministas e as trabalhadoras domésticas, assim como uma inserção mais ampla no debate das políticas públicas brasileiras.

Inscreva-se em nossa Newsletter
Cadastre e receba notícias direto para seu email
Você pode se desinscrever a qualquer momento
você pode gostar também
Comentários
Loading...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Nós garantimos que está tudo certo com isso, mas você pode não desejar isso. Aceitar Saiba Mais