Nova Iguaçu Online
Notícias de Nova Iguaçu todo dia

Empresária iguaçuana percebe aumento na venda de cabelos crespos e ondulados

Receba as matérias da sua cidade em primeira mão no seu smartphone ou tablet. WhatsApp CLIQUE AQUI ou Telegram CLIQUE AQUI

Representatividade. Aceitação. Identidade visual. Resistência. Essas palavras muito usadas principalmente em relação ao empoderamento das pessoas negras. Um comentário preconceituoso dentro da casa mais vigiada do Brasil, o Big Brother Brasil (BBB), trouxe a tona muitos questionamentos sobre o racismo e o principal: a aceitação do cabelo crespo e a valorização do Black Power.

Queridinho nos anos 60 e 70 o Black Power nos Estados Unidos é considerado muito além de um estilo ou de um corte, é considerado um ato político de resistência e orgulho racial. O assunto ganhou destaque nacional na última semana após o participante Rodolfo comparar uma peruca do ‘homem da caverna’ com o cabelo Black Power do participante João. O assunto foi amplamente comentado, teve direito a explicação ao vivo durante a apresentação do Thiago Leifert e muito acolhimento e engajamento do público.

A empresária do segmento de cabelos, Mara Almeida, da Raízes Africanas, confirma que ultimamente as vendas de cabelos crespos, enrolados e cacheados estão em alta.

“Cabelo cacheado está sendo muito procurado. O método costurado ou nó italiano está em alta pois os cabelos originais ficam trançados. É um caminho que as mulheres têm seguido para fazer a transição e assumir o cabelo”, contou a CEO da marca.

STEFANY ALMEIDA
Stefany Almeida, modelo e cliente da loja. Foto: Divulgação

Mara enfatiza ainda que percebe essa mudança através das vendas e das conversas com as clientes que vão nas lojas de cabelos humanos e laces em Nova Iguaçu e Campo Grande.

“Vejo uma mudança de comportamento nas pessoas. Inclusive muitas pessoas brancas pedem consultoria de como mudar o estilo e adotar cabelos mais volumosos. Hoje temos um público eclético que procura desde cabelos ondulados e crespos até lá lisos”, completou a empresária que tem também escritórios com cursos profissionalizantes na Barra da Tijuca e no Centro do Rio de Janeiro.

A jornalista Isabel Ludgero, 38 anos, sabe bem o que é passar por situações desagradáveis por causa do seu cabelo.

“É importante a gente valorizar os nossos traços. Passamos por situações desagradáveis desde o preconceito velado até o racismo recreativo, quando fazem piadas que nunca têm a intenção de machucar”, contou.

Inscreva-se em nossa Newsletter
Cadastre e receba notícias direto para seu email
Você pode se desinscrever a qualquer momento
você pode gostar também
Comentários
Loading...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Nós garantimos que está tudo certo com isso, mas você pode não desejar isso. Aceitar Saiba Mais