Nova Iguaçu Online
Notícias de Nova Iguaçu todo dia

Hospital Geral de Nova Iguaçu participa de pesquisas científicas mundiais fundamentais para saúde pública

O Hospital Geral de Nova Iguaçu (HGNI), além de se destacar no atendimento de urgência e emergência na Baixada Fluminense, vem se tornando referência em pesquisas científicas no Brasil. A unidade teve papel importante na pandemia da Covid-19 ao ser selecionada pela Janssen (Johnson & Johnson) para ser um dos quatro polos do Rio de Janeiro a participar do estudo mundial da vacina. Outras pesquisas voltadas aos cuidados com pessoas com Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) acontecem no HGNI. Uma delas avalia o uso de imunizante de proteção aos vários subtipos do HIV/Aids, chamada de Mosaico. A outra estuda a eficácia de uma vacina de proteção contra a dengue para pessoas soropositivas.

“É uma satisfação enorme para o HGNI participar de pesquisas tão importantes no cenário mundial, que ajudam a salvar vidas, buscando sempre garantir a assistência aos pacientes. Contribuímos para o estudo da vacina da Janssen e outros inúmeros, sempre pensando em cuidar da nossa população”, destaca o prefeito Rogerio Lisboa.

Os estudos científicos começaram no setor do ambulatório ISTs em 2004, através de um convite da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Na época, o HGNI era uma das únicas unidades a tratar pacientes portadores de HIV/Aids em toda a Baixada Fluminense. A primeira pesquisa foi realizada com gestantes soropositivas para avaliar formas de evitar a infecção da doença de mães para os bebês. Esse estudo gerou impacto positivo na comunidade científica e ampliou a assistência às grávidas com HIV/Aids durante o pré-natal, parto e tratamento. A partir daí, novas pesquisas foram levadas ao hospital.

“Esses estudos servem para estimular a comunidade científica a olhar o potencial das unidades de saúde para obter resultados promissores, como é o caso do HGNI. É um hospital que, além de salvar vidas com atendimento de emergência a pacientes de toda a Baixada Fluminense, também contribui para o avanço da saúde pública ao participar de grandes pesquisas”, explica o diretor geral do HGNI, Joé Sestello.

Atualmente, o ambulatório conta com profissionais com mais de 20 anos de experiência em assistência à ISTs. Médicos de diversas especialidades, pesquisadores, enfermeiros, assistentes sociais, psicólogos, biólogos e administrativos fazem parte deste quadro de funcionários. Eles passam por treinamentos nacionais e internacionais pelo menos uma vez ao ano. Os estudos científicos são feitos em parceria com o governo norte-americano. Todos os projetos de pesquisa passam por avaliação e aprovação do Comitê Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP), CNS/Ministério da Saúde, e do Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital Geral de Nova Iguaçu (CEP-HGNI).

você pode gostar também
Comentários
Loading...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Nós garantimos que está tudo certo com isso, mas você pode não desejar isso. Aceitar Saiba Mais